Estampas étnicas

Folclóricas e cheias de cor, as estampas étnicas são atemporais e estão presentes no guarda-roupa de 8 entre 10 mulheres. Você saberia identificar a diferença entre esse tipo de padronagem?

Resultado de técnicas milenares, as estampas tribais e étnicas são atemporais e fazem bastante sucesso ainda hoje. Querida pela maioria dos designers e estilistas, a cada temporada vemos novas padronagens surgindo nas passarelas e seguindo direto para as vitrines, acabando em nosso guarda-roupa.

É possível encontrá-la em praticamente tudo, como roupas, acessórios, bijuterias. Aliás, faça um teste: provavelmente você tem ao menos uma peça ou acessório que segue a linha étnica. Caso ainda não tenha, vale investir em ao menos uma peça e trazer cor para seus looks, principalmente no seu "guarda-roupa" de primavera/verão.

A inspiração vem dos povos nativos e indígenas de regiões como o continente africano, Ásia e América do Sul. Entretanto, o que a maioria não sabe é que a padronagem étnica pode ter vários estilos, cada um nomeado e categorizado de acordo com suas características especiais, como o tipo específico de padronagem, a paleta de cores e a dimensão dos desenhos.

Existem várias, mas as mais conhecidas e utilizadas na moda são as seguintes:

Ikat

A padronagem Ikat pode ser distinguida pelo seu padrão repetitivo pra cima e pra baixo, com borda pouco delimitada, dando aspecto de “aquarelado”. O processo original de produção dessa estampa é por meio de um complexo que envolve o tingimento tie-dye de determinadas regiões do tecido por etapas, utilizando diferentes cores e aplicação de cera. A técnica milenar e super artesanal é utilizada em todo o mundo, do México ao Uzbequistão.

Fonte: Pinterest 

Fonte: Pinterest 

Navajo

Liderando o hall de estampas tribais “familiares”, surgiu na tribo homônima americana. O navajo mescla grafismos de vários tipos e cores, e foram bastante usados na confecção de roupas da tribo (o que as deixaram mundialmente famosas).

Fonte: Pinterest

Fonte: Pinterest

Ganado

Provavelmente um dos tipos de estampas étnicas mais famoso, a padronagem granado surgiu no século XVIII, juntamente com a estamparia “navajo”. Os artesãos passaram a produzir um tipo de estampa mais simples, voltada ao comércio popular. O típico design “ganado” é produzido com uma tinta vegetal para tingimento vermelha, utilizada para criar bordas geométricas para tapetes, porém hoje em dia é produzido sem preferência de cores. A regra geral é que as estampas são padronizadas e podem ser representadas em versões macro e proeminentes ou em repetidamente.

Fonte: Pinterest

Fonte: Pinterest

Tapa

Nativa das Ilhas do Pacífico, o tecido “tapa” é feito de cascas e é pintado, estencilizado, carimbado, defumado e tingido, a fim de criar desenhos abstratos de animais, formas geométricas e padrões. Geralmente distinguido pelo seus tons de vermelho, preto e bronzeados e motivos tropicais é um tecido tradicionalmente ofertado como presente e utilizado em ocasiões formais em muitas ilhas do Pacífico.

 

Fonte: Pinterest 

Fonte: Pinterest 

Batik

A partir de uma técnica em que utiliza-se cera, a estampa Batik possui uma técnica de tingimento bastante popular em todo sudoeste asiático, partes do Oriente Médio e África, mas o Batik javanês é o mais utilizado na moda. Os padrões mais complexos são geralmente utilizados pela nobreza, enquanto as padronagens simples são feitas para o cotidiano - que vão desde estampas florais a geométricas. Os tons predominantes são o índigo, marrom e azul.

Fonte: Pinterest 

Fonte: Pinterest 

Chinle

A padronagem Chinle é reconhecida por suas faixas em cores alternadas, com diversos padrões, listras e desenhos. Derivada na técnica “navajo”, ela surgiu nos anos 20 e é bastante conhecida pelas cores vibrantes, dispostas em listras num padrão mais ou menos assim: listras, listras, estampa, listras, listras, estampas...super fácil de reconhecer.

Fonte: Pinterest 

Fonte: Pinterest 

Como usar

Existem várias maneiras de incorporar essa vibrante e colorida estampa ao seu visual. Confira algumas dicas:

  • Invista em lenços. Eles podem ser usados como xale nos dias frios, como adorno da cabeça, amarrados no cabelo ou em forma de bandanas, ou mesmo preso à bolsa;

  • Procure usar uma estampa étnica por vez, mas arrisque em combinações com outras estampas (tal como você pode ver no post sobre mix de estampas);

  • Abuse dos acessórios. Há uma série de colares, brincos, anéis e braceletes que fazem a linha étnica e que combinam muito bem com a maioria das roupas;

Os sapatos também podem ter adornos que remetem a esse estilo. Rasteirinhas com miçangas ou pedras bordadas em padronagens tribais e até mesmo sapatos e botas com detalhes em tecido são lindos e perfeitos pra adicionar o toque de estilo que faltava. 

  • Lembre-se que para ficar por dentro da onda étnica não é necessário estar vestida com essa padronagem dos pés à cabeça. Confie no ditado “menos é mais” e garanta um visual estiloso e ao mesmo tempo moderno.

#BoraSerLynda